Maranhão tem variação positiva de produção agrícola em 2023

Maranhão tem variação positiva de produção agrícola em 2023

Em fevereiro, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas estimada para 2023 deve totalizar 298,0 milhões de toneladas, 13,3% maior (ou mais 34,9 milhões de toneladas) que a de 2022 e 1,3% abaixo da informação de janeiro, com queda de 3,9 milhões de toneladas. A área a ser colhida é de 75,8 milhões de hectares, 3,5% maior que a de 2022 e estável (0,0%) ante a informação de janeiro.

O arroz, o milho e a soja, os três principais produtos deste grupo, somados, representam 92,8% da estimativa da produção e 87,6% da área a ser colhida. Frente à 2022, ocorreram acréscimos de 21,3% na produção de soja, de 1,4% para o algodão herbáceo, de 10,2% para o milho, com aumentos de 12,9% no milho na 1ª safra e de 9,4% no milho na 2ª safra. Houve decréscimos de 6,0% para o arroz em casca e de 13,8% para o trigo. Quanto à área a ser colhida, houve acréscimos de 4,1% no milho (alta de 1,3% no milho 1ª safra e de 5,0% no milho 2ª safra). Também houve aumento de 1,2% na área do algodão herbáceo e de 4,8% na da soja. Por outro lado, houve queda de 5,8% na área do arroz e de 2,8% na do trigo.

A estimativa de fevereiro para a soja foi de 145,0 milhões de toneladas e a do milho foi de 121,4 milhões de toneladas (28,7 milhões de toneladas de milho na 1ª safra e 92,7 milhões de toneladas de milho na 2ª safra). A produção do arroz foi estimada em 10,0 milhões de toneladas; a do trigo em 8,7 milhões de toneladas e a do algodão, em 6,8 milhões de toneladas.

A estimativa da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas apresentou variação anual positiva para cinco grandes Regiões: Centro-Oeste (8,5%), Norte (11,1%), Sudeste (1,0%), Nordeste (2,3%) e Sul (32,6%). Frente às estimativas de janeiro, houve aumento no Nordeste (0,5%), estabilidade no Norte e no Sudeste e declínios no Sul (-4,3%) e Centro-Oeste (-0,1%).

Mato Grosso lidera como o maior produtor nacional de grãos, com participação de 29,7%, seguido pelo Paraná (15,1%), Rio Grande do Sul (11,8%), Goiás (9,3%), Mato Grosso do Sul (8,3%) e Minas Gerais (5,9%), que, somados, representaram 80,1% do total.

Destaques na estimativa de fevereiro de 2023 em relação ao mês anterior

Em relação a janeiro, houve aumento nas estimativas da produção de batata 2ª safra (0,8% ou 9 543 t) e castanha-de-caju (0,6% ou 724 t), e declínios nas estimativas da aveia (-3,5% ou -40 074 t), milho 1ª safra (-2,5% ou -733 342 t), arroz (-2,5% ou -252 744 t), soja (-1,7% ou -2 524 827 t), batata 3ª safra (-1,4% ou -12 400 t), batata 1ª safra (-1,2% ou -21 762 t), uva (-0,6% ou -9 964 t), milho 2ª safra (-0,4% ou -373 587 t), trigo (-0,2% ou -20 962 t) e cevada (-0,0% ou -170 t).

Regionalmente, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas apresentou a seguinte distribuição: Centro-Oeste, 141,8 milhões de toneladas (47,6%); Sul, 87,1 milhões de toneladas (29,2%); Sudeste, 28,1 milhões de toneladas (9,4%); Nordeste, 26,0 milhões de toneladas (8,7%) e Norte, 15,0 milhões de toneladas (6,1%).

As principais variações positivas nas estimativas da produção, frente a janeiro, ocorreram no Paraná (193.073 t), Piauí (115.548 t), Maranhão (2.929 t) e Ceará (161 t). As principais variações negativas foram no Rio Grande do Sul (-4.125.897 t) e em Goiás (-110.315 t).

ARROZ (em casca) – A estimativa para a produção foi de 10,0 milhões de toneladas, declínios de 2,5% em relação ao mês anterior e de 6,0% em relação a 2022. Houve revisão para baixo da área a ser colhida, de 1,4%, e do rendimento médio, de 1,1%. Apesar das perdas, que no mês de fevereiro chegaram a 252 744 toneladas, essa produção deve ser suficiente para abastecer o mercado brasileiro.

BATATA-INGLESA – A produção da batata, considerando-se as três safras do produto, deve alcançar 3,8 milhões de toneladas, declínios de 0,6% em relação ao mês anterior e de 5,4% em relação a 2022. A 1ª safra deve contribuir com 46,6% do total de batata a ser produzido no ano. A produção estimada foi de 1,8 milhão de toneladas, declínio de 1,2% em relação ao mês anterior e aumento de 4,6% em relação à mesma safra de 2022.

A 2ª safra, que representa 31,2% da produção total, foi estimada em 1,2 milhão de toneladas, 0,8% maior que a estimativa de janeiro de 2023. A área a ser colhida declinou em 0,5%, enquanto a estimativa do rendimento médio aumentou em 1,3%. Em relação à 3ª safra, a estimativa da produção foi de 847,4 mil toneladas, declínios de 1,4% em relação ao mês anterior e de 21,1% em relação à mesma safra de 2022.

CASTANHA-DE-CAJU (amêndoa) – A estimativa da produção de castanha-de-caju, para fevereiro de 2023, é de 123,0 mil toneladas, com alta de 0,6% ante o mês anterior, e queda de 16,4% no ano. O declínio pode ocorrer em função de variações no clima visto que, em 2022, houve boa disponibilidade de chuvas nas principais Unidades da Federação produtoras. A área, por sua vez, manteve-se praticamente estável no mês, com alta de 0,4% frente a 2022.

CEREAIS DE INVERNO (em grão) – Os principais cereais de inverno produzidos no Brasil são o trigo, a aveia branca e a cevada. A produção do trigo deve alcançar 8,7 milhões de toneladas, decréscimo de 13,8% em relação a 2022, quando o Brasil colheu a maior safra da história, recorde da série do IBGE, portanto, uma base de comparação bastante elevada. Em relação ao mês anterior, a estimativa da produção apresenta um declínio de 0,2%.

A estimativa da produção da aveia foi de 1,1 milhão de toneladas, declínios de 3,5% ante o mês anterior e de 7,9% em relação a 2022. Embora a área plantada e a área a ser colhida apresentem crescimentos de 1,4%, o rendimento médio recuou 9,2%, para 2 153 kg/ha.

Para a cevada, a produção estimada foi de 467,1 mil toneladas, decréscimo de 7,2% em relação a 2022. Os maiores produtores são Paraná, com 337,6 mil toneladas e Rio Grande do Sul, com 111,8 mil toneladas, cujas produções somadas representam 96,2% do total nacional.

MILHO (em grão) – A estimativa para a produção do milho foi de 121,4 milhões de toneladas, declínio de 0,9% em relação ao mês anterior e crescimento de 10,2% em comparação com 2022. A queda na produção mensal é reflexo da forte estiagem no Rio Grande do Sul, que este mês reduziu sua estimativa de produção em 13,4%, em decorrência do comprometimento do rendimento médio, que declinou 12,6%.

Apesar da queda, as perspectivas para a produção de milho, em 2023, encontram-se bastante otimistas, visto que o plantio da safra de verão corrente se deu no tempo adequado, o que pode garantir uma boa “janela de plantio” para o milho 2ª safra. Além disso, como os preços do cereal encontram-se atrativos, possivelmente os produtores aumentem os investimentos nas lavouras. Se confirmado, teremos novo recorde de produção do milho no País.

Para o milho 1ª safra, a estimativa da produção foi de 28,7 milhões de toneladas, representando um decréscimo de 2,5% ou 733,3 mil toneladas a menos, em comparação com janeiro de 2023. Houve redução de 2,4% no rendimento médio, em decorrência das perdas no Rio Grande do Sul. Em fevereiro, os dados da safra gaúcha começaram a mostrar os efeitos da seca e das altas temperaturas nas regiões produtoras do Estado.

Houve redução de 13,4% na estimativa da produção. Apesar das perdas, o Rio Grande do Sul ainda é o maior produtor de milho 1ª safra do País, com 17,6% de participação, com uma safra de 5,0 milhões de toneladas. Dessa forma, embora a atual safra de verão gaúcha enfrente dificuldades em decorrência das severas restrições de chuvas, a estiagem parece ter sido mais forte na safra de verão 2022.

A estimativa para a produção do milho 2ª safra foi de 92,7 milhões de toneladas, decréscimo de 0,4% em relação a janeiro de 2023. Apesar de as áreas plantadas e colhidas se mantiverem estáveis, ocorreu declínio de 0,4% no rendimento médio. O Paraná apresentou um crescimento de 0,1% na estimativa da produção, que deve alcançar 15,4 milhões de toneladas, enquanto Piauí e Goiás apresentaram declínios de 2,4% e 3,5%, respectivamente. As demais Unidades da Federação apresentaram estabilidade nos volumes de produção.

SOJA (em grão) – A produção nacional de soja deve alcançar 145,0 milhões de toneladas, aumento de 21,3% em comparação à quantidade produzida no ano anterior, devendo representar quase metade do total de cereais, leguminosas e oleaginosas produzidos no País, em 2023. Frente aos dados divulgados no mês anterior, houve uma retração de 1,7% na quantidade produzida, influenciada principalmente pela revisão de dados de produtividade no Rio Grande do Sul, que informou queda de 14,0% no rendimento médio em fevereiro.

UVA – A produção brasileira de uvas deve alcançar 1,7 milhão de toneladas, com declínio de 0,6% em relação a janeiro e alta de 11,3% ante 2022. Os principais produtores são Rio Grande do Sul, com produção de 892,5 mil toneladas e crescimento de 21,4% em relação a 2022; Pernambuco, com produção de 404,1 mil toneladas, aumento de 1,3% no ano e São Paulo, com produção de 164,0 mil toneladas e declínio de 0,3% frente a 2022.

Avatar photo

Andrezza Cerveira

Editora responsável. Profissional da comunicação com quase 20 anos de atuação no mercado maranhense. Atualmente apresenta o programa Diário Mais, na Rádio Mais FM 99.9, de segunda a sexta-feira, de 06h às 08h. Também possui no currículo experiências na extinta Rádio NOVA FM 93.1, TV Difusora, Portal Difusora On, Coordenadoria Municipal da Mulher de São Luís, Secretaria de Comunicação da Prefeitura de São Luís, além de campanhas políticas e assessoria de imprensa para organizações privadas. Ao longo da carreira, exerceu praticamente todas as funções do jornalismo: reportagem, produção, produção executiva, chefia de edição, chefia de reportagem, apresentação e coordenação de jornalismo.
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x