Produção industrial teve queda de quase 10% no Maranhão em comparativo de 2022/2023

Produção industrial teve queda de quase 10% no Maranhão em comparativo de 2022/2023

Em maio de 2023, a produção industrial nacional avançou 0,3% frente a abril, na série com ajuste sazonal, e dez dos 15 locais pesquisados apresentaram taxas positivas. As maiores altas foram no Amazonas (12,8%), Pernambuco (5,6%) e Paraná (5,3%). Já Santa Catarina (-2,7%) e Bahia (-2,4%) apontaram os recuos mais intensos.

Frente ao mesmo mês do ano anterior, a indústria cresceu 1,9% em maio, com resultados positivos em 12 dos 18 locais pesquisados. Os avanços mais intensos foram no Pará (29,6%), Amazonas (7,6%), Pernambuco (6,3%), Mato Grosso (5,3%), Minas Gerais (5,2%), Paraná (5,0%), Mato Grosso do Sul (4,5%), Rio Grande do Norte (4,2%), Rio de Janeiro (2,9%) e São Paulo (2,6%).

Dez dos 15 locais pesquisados mostraram taxas positivas em maio, na série com ajuste sazonal, acompanhando a variação positiva (0,3%) da produção industrial nacional. As maiores altas foram no Amazonas (12,8%), Pernambuco (5,6%) e Paraná (5,3%), após registrarem quedas no mês anterior (-15,7%, -3,3% e -2,2%, respectivamente). Mato Grosso (3,2%), São Paulo (2,9%), Pará (1,8%), Espírito Santo (1,7%), Região Nordeste (1,5%), Minas Gerais (1,0%) e Ceará (0,8%) também mostraram avanços acima da média nacional (0,3%).

As quedas mais intensas foram em Santa Catarina (-2,7%) e Bahia (-2,4%), com o primeiro eliminando o avanço de 0,9% do mês anterior e o segundo interrompendo três meses consecutivos de alta, período em que acumulou ganho de 11,7%.

Rio de Janeiro (-1,5%) e Rio Grande do Sul (-0,1%) completaram o conjunto de locais com índices negativos, enquanto Goiás (0,0%) repetiu a variação nula do mês anterior. O índice de média móvel trimestral para a indústria foi de 0,3% no trimestre encerrado em maio frente ao nível do mês anterior, com taxas positivas em 11 dos 15 locais pesquisados, com destaque para os avanços mais acentuados em Mato Grosso (4,7%), Rio Grande do Sul (3,1%), Pernambuco (2,7%), Pará (2,1%), Região Nordeste (1,8%), Amazonas (1,4%), Bahia (1,3%) e São Paulo (1,2%).

Por outro lado, Goiás (-1,1%) e Santa Catarina (-1,0%) mostraram os principais recuos em maio de 2023. Na comparação com maio de 2022, a produção da indústria subiu 1,9% em maio de 2023, com taxas positivas em 12 dos 18 locais pesquisados.

Maio de 2023 (22 dias) teve o mesmo número de dias úteis do que igual mês do ano anterior (22). Pará (29,6%) mostrou o avanço mais intenso, influenciado não só pela baixa base de comparação, uma vez que recuou 20,9% em maio de 2022; mas também pelo crescimento de 36,6% de indústrias extrativas.

Amazonas (7,6%), Pernambuco (6,3%), Mato Grosso (5,3%), Minas Gerais (5,2%), Paraná (5,0%), Mato Grosso do Sul (4,5%), Rio Grande do Norte (4,2%), Rio de Janeiro (2,9%) e São Paulo (2,6%) também registraram taxas positivas mais elevadas do que a média nacional (1,9%), enquanto Espírito Santo (1,3%) e Goiás (0,2%) completaram o conjunto de locais com avanço na produção no índice mensal de maio de 2023.

Por outro lado, Maranhão (-9,6%) e Ceará (-8,1%) assinalaram os recuos mais acentuados, pressionados pelo comportamento negativo dos setores de metalurgia e indústrias extrativas no primeiro local e de confecção de artigos do vestuário e acessórios, produtos químicos e produtos de metal, no segundo. Santa Catarina (-4,4%), Bahia (-3,3%), Região Nordeste (-2,7%) e Rio Grande do Sul (-0,4%) mostraram os demais resultados negativos nesse mês.

No acumulado no ano, frente a igual período do ano anterior, a redução na produção nacional (-0,4%) alcançou 11 dos 18 locais pesquisados, com destaque para Rio Grande do Sul (-6,4%). Houve recuos mais intensos do que a média nacional (-0,4%) também em Santa Catarina (-4,5%), Ceará (-4,4%), Região Nordeste (-4,0%), Bahia (-3,7%), Pernambuco (-2,1%), São Paulo (-1,8%), Espírito Santo (-1,7%), Mato Grosso (-1,6%), Goiás (-1,3%) e Maranhão (-0,6%). Os maiores avanços foram no Amazonas (10,4%) e em Minas Gerais (6,2%). Pará (5,2%), Rio de Janeiro (2,8%), Mato Grosso do Sul (1,6%), Rio Grande do Norte (1,3%) e Paraná (0,7%) mostraram os demais resultados positivos nesse mês.

No confronto do primeiro trimestre de 2023 com o período abril-maio de 2023, ambas as comparações contra iguais períodos do ano anterior, houve altas em 11 dos 18 locais pesquisados. Pará (de -2,2% para 17,2%), Mato Grosso (de -7,8% para 7,5%), Rio Grande do Norte (de -2,7% para 9,0%) e Rio Grande do Sul (de -9,1% para -2,5%) apontaram os maiores ganhos, enquanto Maranhão (de 8,7% para -13,0%), Amazonas (de 14,8% para 4,3%), Ceará (de -1,9% para -8,0%) e Rio de Janeiro (de 5,2% para -0,6%) assinalaram as principais perdas entre os dois períodos.

O acumulado nos últimos 12 meses assinalou ligeiro ganho de ritmo frente ao resultado do mês anterior (-0,2%). Dez dos 15 locais pesquisados registraram taxas negativas em maio de 2023, mas sete apontaram maior dinamismo frente aos índices de abril de 2023. Pará (de -6,1% para -2,6%), Minas Gerais (de 1,3% para 2,3%), Goiás (de -2,2% para -1,7%), Paraná (de -3,4% para -2,9%), São Paulo (de 0,2% para 0,6%) e Rio de Janeiro (de 3,3% para 3,7%) assinalaram os principais ganhos entre abril e maio de 2023, enquanto Bahia (de -0,9% para -3,1%), Mato Grosso (de 9,9% para 8,5%), Ceará (de -4,0% para -5,3%) e Região Nordeste (de -2,4% para -3,6%) mostraram as maiores perdas entre os dois períodos.

Avatar photo

Andrezza Cerveira

Editora responsável. Profissional da comunicação com quase 20 anos de atuação no mercado maranhense. Atualmente apresenta o programa Diário Mais, na Rádio Mais FM 99.9, de segunda a sexta-feira, de 06h às 08h. Também possui no currículo experiências na extinta Rádio NOVA FM 93.1, TV Difusora, Portal Difusora On, Coordenadoria Municipal da Mulher de São Luís, Secretaria de Comunicação da Prefeitura de São Luís, além de campanhas políticas e assessoria de imprensa para organizações privadas. Ao longo da carreira, exerceu praticamente todas as funções do jornalismo: reportagem, produção, produção executiva, chefia de edição, chefia de reportagem, apresentação e coordenação de jornalismo.
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x